Na Hora H

BRASIL MELHORA CINCO POSIÇÕES NO ÍNDICE GLOBAL DE INOVAÇÃO E CHEGA AO 64º LUGAR

O Brasil ganhou cinco posições no Índice Global de Inovação (IGI) deste ano, subindo do 69º para o 64º lugar em um ranking de 126 países. No entanto, o avanço não coloca o país na liderança da inovação na América Latina, que segue com o Chile na primeira posição regional. A classificação, divulgada na manhã desta terça-feira (10), em Nova York, é publicada anualmente pela Universidade Cornell, pelo INSEAD e pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) são parceiros do IGI.

O 64º lugar é melhor do Brasil desde 2014. Nos dois últimos anos, o Brasil ficou estagnado na 69ª posição. Entre as áreas em que o país se destacou estão gastos com P&D, importações e exportações líquidas de alta tecnologia; qualidade de publicações científicas; e universidades, especialmente as de São Paulo (USP), Campinas (Unicamp) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

No ranking divulgado nesta terça, a China aparece pela primeira vez na lista das 20 principais economias mais inovadoras, sendo a primeira economia em desenvolvimento a ocupar os primeiros lugares do ranking, ao passo que a Suíça se mantém na primeira colocação mundial. Completando a lista dos 10 melhores classificados estão: Países Baixos, Suécia, Reino Unido, Singapura, Estados Unidos da América, Finlândia, Dinamarca, Alemanha e Irlanda. Entre os países latino-americanos, o Chile é o mais bem classificado, no 47º lugar do IGI neste ano. A Costa Rica está na 2ª posição na região. O México, que ficou na 3ª posição da região, aparece nas 10 melhores classificações em facilidade de obtenção de crédito, fabricação técnica, importações e exportações técnicas líquidas, e exportações de bens criativos.

 

Com informações da FIERN

To Top